O VÍRUS DO EU

O vírus do Eu

Por : Rute Roberta

Basta começar a ensaiar as primeiras palavras e nos deparamos com essa regrinha que de tão principal fica chata e enfadonha e não percebemos a importância que ela tem. Noção básica da língua portuguesa escrita e falada, a pessoa do verbo. Tradicionalmente representada pelos pronomes pessoais retos: eu, tu, ele, nós, vós, eles.


Aprender a conjugar verbo na pessoa correta é fundamental para a vida em sociedade e isso vai ficando cada vez mais evidente quando conhecemos indivíduos infectados pelo vírus do “EU”.


Na definição básica, vírus “são seres microscópicos constituídos de DNA ou RNA e protegidos por uma capa formada de proteínas. São considerados parasitas intracelulares, por isso, suas funções só podem ser desempenhadas quando entram em uma célula viva para utilizar todos os seus recursos”.


Então o que seria o vírus do “EU”? Um parasita que se apropria de tudo que é realizado de forma singular ou coletiva em benefício próprio, seja pela promoção individual, seja pela necessidade de autoafirmação, a bem da verdade é que não é fácil identificar a causa, mas é notório o seu efeito. Pessoas infectadas por esse mal, tendem a manifestar-se sempre na primeira pessoa, acompanhadas dos verbos FAZER, REALIZAR, CONSTRUIR, INVENTAR, CRIAR, IDEALIZAR.


Onde as encontramos? Estão por toda parte, entranha-se em grupos, projetos, campanhas, ocupam posição de destaque, geralmente impositivas, não aceitam críticas, não dividem, não são colaborativas, ávidas pelas ideias alheias, estão sempre aproveitando as oportunidades para apresenta-las como se suas fossem, não se envergonham, sentem orgulho de suas atitudes mesquinhas, tem o prazer em impor, interrompem falas, tolhem, atravessam, querem o destaque que não merecem. São tão necessitadas de atenção e reconhecimento que muitas vezes e erroneamente deixamos que elas levem o crédito por algo que não construíram.


Parecem inteligentes e as vezes até são, mas sofrem de uma limitação moral, desconhecem o significado da palavra respeito, coletividade, carregam a incapacidade em percebe o outro, em entender que somamos ao dividir, que ideias construídas a muitas mãos, saberes, experiências, vivências, edificam, removem barreiras, suavizam o caminho, giram a roda da realização, transformam sonhos em resultados.


Assim, não seria exagero nenhum se ousássemos criar a seguinte definição: O Vírus do “EU”, considerado um parasita intelectual, por isso, suas funções só podem ser desempenhadas quando entra em contato com um ser vivo e pulsante de ideias criativas e reais para utilizar todos os seus recursos em benefício único, pelo simples prazer em mostrar aquilo que nunca foi capaz de fazer sozinho.

Rute Roberta

Poeta e escritora do município de Dias D’Ávila-Ba

Sem título

7 respostas

  1. Parabéns, vc e merecedora de cada conquista pois só vc sabe o que já passou durante toda essa trajetória até aqui. Tenho muito orgulho se ser sua irmã, quando crescer quero ser igual vc rsrsrs.
    Tá linda…
    Aí não é só rostinho bonito é uma guerreira além de muito, muito inteligente.
    Sei que lá do céu painho e Mainha estam muito orgulhosos de vc …

  2. Rute Roberta, minha porta preferida como eu tenho costume de falar, essa maravilha escritora nos deixa maravilhados com suas palavras e seus sentimentos transmitida em suas escritas, por mais que a poesias cada leitor sente e interpretar de sua forma … parabéns Rute vida longa com sua escritas .. sucesso paz e luz.

  3. Comeu sempre digo a ela Rute Roberta minha porta preferida, minha escritora maravilhosa, magnífica, essa poesia rum obra onde mostra tantas verdades de uma SER. eu lhe desejo tudo de bom uma uma vida longa como escritora como poeta… felicidades paz e luz.

  4. Parabéns.
    Com o egocentrismo tão aflorada e com o desvio de comportamento voltado somente para si ou tudo que lhe diz respeito, ou ainda, a incapacidade de diferenciar-se dos outros, O EU …… é mas presente que qualquer outro sentimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *