UMA BATALHA NUNCA VEM SÓ – SARA SAROWSKY – UMA GUERREIRA SEM FRONTEIRAS

Uma batalha nunca vem só – Sara Sarowsky - Uma guerreira sem fronteiras

Por : Joana Pereira

Nascida onde as águas são quentes, no meio do oceano atlântico – Sara Sarowsky – de 45 anos, cresceu em terras Cabo-verdianas. Imigra para Portugal, numa primeira vez, para se licenciar em Comunicação Empresarial, numa segunda vez retorna para realizar mestrado em Audiovisual e Multimédia e parece que se esqueceu do caminho de volta à sua terra.

Residente em Lisboa há mais de 15 anos, na pele negra de mulher, solteira e imigrante, veste várias profissões e arma-se de várias causas pelas quais valem a pena lutar. É autora, cronista, blogger, podcaster, palestrante, criadora de conteúdos e produtora de eventos; sempre desempenhou funções em instituições de prestígio, como a Embaixada de Cabo Verde em Portugal, a Ordem dos Engenheiros Portuguesa e o Núcleo Operacional da Sociedade de Informação em Cabo Verde. Nestes ambientes da alta sociedade, era definida como a mulher que nunca levava acompanhante e, como tal, sujeita a comentários e perguntas indiscretas. “Porque é que vens sempre sozinha?” era a pergunta de todos os eventos, entre outras insinuações, desde lésbica, a mulher que nenhum homem suporta, relações clandestinas, etc. Sara, nunca desceu do seu salto alto para responder diretamente a estas provocações, no entanto, quando fica desempregada, não consegue dar o corpo à inércia e decide criar um blog. Em 2014, esse mundo não era muito explorado, mas fez várias pesquisas sobre os temas mais lidos… até que lhe assalta a mente o que ela sabia fazer melhor: ser solteira!

“Na altura já estava há 37 anos solteira, não havia ninguém com mais experiência nisto que eu!” disse entre risos. Então, chamou ao seu blog “à beira dos 40 e ainda solteira, so what?” que, além de comprido, achou que tinha um tom de manifesto e, não tendo de provar nada a ninguém, alterou-o para apenas “Ainda solteira”.

Sem expectativa nenhuma, começou a escrever todas as respostas que tinha aprisionadas há anos na garganta. Criou um espaço onde tinha voz! Respondia livremente a todas as insinuações e provocações que ouviu ao longo dos anos enquanto mulher solteira quase com 40 anos. Mas, mais do que isso, desmistificava a ideia de que uma mulher que continuasse solteira a partir de certa idade era ou, porque era feia, ou tinha mau feitio, ou era encalhada/fracassada. “A minha ideia era desconstruir isto e dar dignidade à condição da mulher solteira. Mostrar que a mulher solteira não é menos que uma mulher emparelhada!”.

Em 3 anos consecutivos, o blog “Ainda Solteira” foi distinguido como o melhor blog de Portugal na categoria de Sexo e Diário Íntimo. Os feedbacks e reações positivas deixavam-na orgulhosa e em novembro de 2022 estreia-se no seu podcast “Ainda Solteiros”.

A vingar no mundo feminino e não emparelhado, Sara tem quatro textos publicados em coletâneas que valorizam a condição da mulher, uma causa que lhe é muito cara e para a qual está sempre disponível para contribuir. Por isso, em janeiro de 2023, cria o “Empodera-te!”.

“O Empodera-te! não surge à-toa, eu já empoderava mulheres solteiras no blog, só que nem tinha consciência do que estava a fazer”, explica, acrescentando que o empoderamento vai mais além do que um estado civil, é um movimento social em prol do empoderamento feminino, com eventos e palestras, que tratam o feminino e o bem-estar. Porém, quando realizou o primeiro evento, surpreendentemente, inscreveram-se alguns homens que, na hora de intervirem, perguntavam por que é que as mulheres não os incluíam nesta causa, e foi aí que Sara percebeu que o empoderamento não tem género, é uma causa universal! Apesar de falar uma linguagem direcionada a mulheres, o seu discurso é sempre no sentido da inclusão, da integração de todos nesta causa. Assim, nos eventos seguintes foram convidados oradores masculinos e incluídos todos os que quisessem contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária.

O seu público alargou também para crianças e jovens, através de intervenções em bairros mais vulneráveis, com o objetivo de inspirar os mais novos a assumirem o controlo das suas próprias vidas, a poderem escolher o que é melhor para eles, a perceberem que através dos estudos conseguirão melhorar as suas condições de vida e a desconstruir o estigma do bairrismo. “Apercebi-me que quanto mais cedo forem empoderados, ainda na infância ou na adolescência, mais cedo conseguimos atingir o grande objetivo”, confessa e, ainda, remata com sabedoria “dou-lhes esperança, mostro-lhe que há uma saída da miséria, que há saída da exclusão social!”.

Até há bem pouco tempo, o empoderamento era abordado de uma forma mais política, sociológica e académica. A Sara vem-nos mostrar que o grande sucesso do “Empodera-te!” deve-se à sua abordagem pragmática, prática e objetiva, de forma a que todos consigam compreender. Dar ferramentas úteis para se poderem empoderar: como é que dominando as minhas emoções e trabalhando a minha inteligência emocional, consigo ser mais bem-sucedida? Como é que posso trabalhar a minha autoestima para obter melhores resultados nos vários campos da minha vida? São alguns exemplos dos temas falados nestes eventos.

Comprometida e dedicada a esta causa, Sara não fica por aqui! Já está a trabalhar na angariação de fundos e donativos, bem como o lançamento de livros escritos pelos oradores palestrantes deste movimento, cuja parte da receita vai reverter para instituições de solidariedade social que trabalham a condição feminina, sobretudo que assumam o seu engajamento no empoderamento da mulher.

Com as armas em punho, Sara assume que mais do que igualdade de género, devemos lutar pela igualdade de oportunidades. “Somos diferentes, física, biológica e emocionalmente, por isso nunca podemos ser iguais. O que defendo é igualdade de acesso às mesmas condições!” declara soberba e, já lavrando pelos campos mais ardilosos das sociedades multiculturais, admite que o mundo utópico da igualdade para todos jamais se vá concretizar. No entanto, esse sonho move camadas de pessoas e, para uma fã do otimismo como a Sara, fazer a diferença numa única pessoa já é “lucrar” – “A jornada é bem mais valiosa que o destino!”, defende a aguerrida.

Sara olha para o racismo como pura ignorância. Pertencente à minoria de ser mulher, negra e, ainda para mais, imigrante, as oportunidades são quase nulas, o que a fez lutar o triplo pelo lugar que ocupa no mundo, por não deixar de acreditar no seu valor e reconhecer o seu mérito.

“A ideia que veio da colonização de que o branco é que é melhor, ainda está muito enraizada, sobretudo nos mais velhos que o viveram diretamente”, então para a Sara, que habitualmente era sempre a única negra a mover-se nos ambientes da alta sociedade, representava uma grande responsabilidade para contrariar esta crença.

Ainda assim, julga que o facto de a sua pele ser mais clara e falar um português correto, ou seja, não aquele português recém-chegado de África, amortizou um pouco os impactos da discriminação. “Tenho muito orgulho em ser negra, mulher e cabo-verdiana, por isso sou muito altiva e sei comportar-me nos vários ambientes. Penso que, por ser tão orgulhosa de mim, não sofro tanto com a discriminação.”, afirma em tom de conclusão.

O trabalho aplicado em tantas mulheres no movimento do “Empodera-te!”, foi virtuosamente aplicado nela própria e os frutos estão à vista nesta história de vida de uma luta constante e eterna. Como se não bastasse, no seu horizonte tem a primeira edição do “Empodera-te!” em Cabo Verde, o lançamento de um livro sobre provérbios Cabo-verdianos, um programa de rádio, uma linha de cosméticos e tudo mais que o universo quiser proporcionar a esta guerreira vivaz.

Minibiografia:

Sara Sarowsky, 45 anos, nasceu em Cabo Verde e reside há mais de 15 anos em Lisboa. É autora, cronista, blogger, podcaster, palestrante, criadora de conteúdos e produtora de eventos. Tem formação académica em comunicação empresarial e pós-académica em marketing estratégico e também em audiovisual e multimédia. Autora do blog “Ainda Solteira”, distinguido por três anos consecutivos como o melhor blog de Portugal na categoria de Sexo e Diário Íntimo. Em 2023, criou o “Empodera-te!”, um movimento social em prol do empoderamento feminino.

Joana Pereira

Escritora, poeta e cronista

WhatsApp-Image-2023-06-03-at-20.39.28

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros artigos